SITE OFICIAL

http://www.philcollins.com/


REDES SOCIAIS


BIOGRAFIA

 

Nome completo: Phillip Charles David Collins

Nascimento: 30 de janeiro de 1951

Origem: Chiswick, Londres

País: Inglaterra, Reino Unido

Gênero(s): Pop, rock progressivo, soft rock, art rock, jazz

Desde o momento em que Phil Collins assumiu a crucial posição de vocalista do Genesis em 1974 no lugar de Peter Gabriel, a banda inglesa se transformaria em uma das mais bem-sucedidas do mundo. De fato, Collins já era o baterista do grupo havia quatro anos, mas depois de tentarem contratar 400 cantores, a solução caseira aparentou ser a mais apropriada. 

O primeiro LP com músicas mais comerciais do Genesis chegaria às lojas em 1978. ...And Then There Were Three... trouxe o hit “Follow You, Follow Me”, na voz de Collins. A música serviu como um padrão para as baladas que o artista criaria com tanta competência nos trabalhos seguintes. Após Duke (1980) e Abacab (1981), ele daria largada à carreira solo, ainda que sem deixar o Genesis nos primeiros anos.

Face Value (1981), o vinil de estreia, foi abraçado de imediato pelos fãs, que colocaram o single “In The Air Tonight” no 2º lugar das paradas britânicas. Antes de lançar Genesis (1983), Phil finalizaria os hits de seu segundo LP: Hello, I Must Be Going! O disco de 1982 foi o cartão de visitas de Phil nos Estados Unidos, com vendas em torno de 3 milhões, impulsionadas pelo single de 1982 “I Cannot Believe It’s True”.

Depois de investir pesado nos primeiros álbuns, o ano de 1985 provaria ser um dos mais importantes na jornada de Collins no pop. Com o single “Against All Odds (Take a Look at me Now)”, ele ganharia o Grammy de melhor performance vocal, além da nomeação ao Oscar de melhor canção original pelo tema de Paixões Violentas. Naquele mesmo ano sairia o terceiro solo No Jacket Required, acompanhado pelos hits “Sussudio”, “Take Me Home” e “One More Night”.

O ano parecia não querer acabar, já que o Genesis ainda gravaria em 1985 Invisible Touch, álbum que dominaria as paradas do Reino Unido no ano seguinte e chegaria em 3º nos EUA, com os singles “In Too Deep”, “Land of Confusion”, “Throwing it All Away” e “Invisible Touch”.

De volta ao voo solo, Phil Collins voltou ao estúdio para produzir ...But Seriously (1989), mais um sucesso de vendas, impulsionado pelos hits “Another Day in Paradise”, “I Wish it Would Rain Down” e “Do You Remember?.  O Genesis continuaria em pauta logo após a turnê de divulgação do álbum. Em 1991, Phil retomou a parceria com Mike Rutherford e Tony Banks para gravar We Can’t Dance, o penúltimo do grupo. Phil Collins ainda lançaria mais três álbuns na década, mas seu trabalho de destaque no final do milênio seria a trilha da animação Tarzan, produzida pela Disney. Com o single “You’ll Be In My Heart” entre as mais ouvidas nas rádios do planeta, o artista inglês voltava a ser um dos mais populares do mundo.

Em 2010, após produzir o álbum Goin’ Back, com releituras de clássicos da Motown, Collins anunciou que iria se aposentar. Foi apenas um alarme falso. Logo após publicar a biografia Ainda Estou Vivo, o baterista saiu em turnê mundial e tocou pela primeira vez como artista solo no Brasil em fevereiro de 2018.

Curiosidades: Phil Collins revelou que escreveu a balada “You’ll Be In My Heart” para sua filha, Lilly, mesmo que a música seja interpretada na animação Tarzan por uma mãe gorila cantando para um menino... A primeira versão da canção foi escrita no dia de Natal em um guardanapo de papel. Phil Collins fez sua estreia no cinema como um figurante no primeiro longa dos Beatles em 1964. Collins também participou de All Things Must Pass (1970) – primeiro disco solo de George Harrison tocando percussão.

 

MAIS ARTISTAS

Todos os artistas