Bruno Mars fecha The Town em pódio de “melhores shows” em festivais

O encerramento da primeira edição do The Town, neste domingo (10), não poderia ter sido melhor! Com mais um show do headliner Bruno Mars – o artista também se apresentou no dia 03 de setembro no festival – e nomes como Iza, Jão, H.E.R. e Marina Sena, o evento pôde fechar com chave de ouro e uma plateia apaixonada pelo artista, que fez questão de mais uma vez mostrar o que aprendeu a falar em português.

Abrindo o cronograma do domingo, Marina Sena subiu ao palco The One com uma setlist inteiramente dedicada à Gal Costa. A mineira, que ganhou fama nacional com seu álbum “De Primeira” e o hit “Por Supuesto”, disse que estava muito nervosa em se apresentar cantando Gal que, segundo ela, é a sua maior inspiração: “Eu canto Gal desde que nasci e hoje é uma honra cantar para vocês! Quero vibrações boas para ela sentir tudo”. A performance exigiu fôlego e interpretação de Marina, que entregou com maestria e muita simpatia, enquanto chorava de emoção ao soltar a voz com a discografia da baiana. O público pôde ouvir “Baby”, “Lágrimas Negras”, “Força Estranha”, “Mamãe eu choro”, “Meu Nome é Gal” e mais!

Assim que Marina deixou o The One, o palco Skyline acendeu as luzes para receber Iza. A cantora apostou nos seus hits lançados recentemente, incluindo quatro faixas do novo disco “AFRODHIT” entre as cinco primeiras do roteiro do show. Ela, claro, não deixou de fora “Fé”, “Dona de Mim”, “Pesadão”, “Brisa” e “Ginga”, agitando o público. No The One, Pabllo Vittar também agitou o The Town com os maiores hits, com direito à participação de Liniker cantando “Baby 95” e Jup do Bairro em “Descontrolada”. No setlist, Pabllo equilibrou as faixas dos cinco álbuns de estúdio lançados desde 2017. No mesmo palco, na sequência, Gloria Groove se apresentou com o novo show “Noites de Glória”. A energia do show foi empolgante, sem deixar de fora as músicas “A Tua Voz”, “Samba in Paris” e o ponto alto da apresentação, de fato, foi com o hit “Vermelho” cantado em coro.

Deixando de lado o agito do The One, H.E.R. subiu ao Skyline com seu show romântico e bem produzido, declarando amor à música brasileira e ao país. Aos 26 anos, a norte-americana já foi indicada mais de vinte vezes ao Grammy, tendo conquistado quatro, em apenas sete anos de carreira. Em “Hard Place”, o público que esperava por Bruno Mars e não conhecia o repertório da artista, bateu palmas junto, conquistados por Gabriella Wilson, seu verdadeiro nome. H.E.R. é uma sigla para “Having Everything Revealed” (Tendo tudo revelado), uma forma que encontrou para tentar manter a identidade protegida. “Essa é minha primeira vez em São Paulo e estou amando! O Brasil é meu país favorito no mundo. Vocês fazem com que me sinta tão à vontade”, comentou sorrindo. Um dos pontos altos foi com o hit “Best Part”, sua parceria com Daniel Caesar, além de “Intimidated”, com Kaytranada.

Antes de H.E.R., Kim Petras também marcou presença no Skyline. Ela foi a primeira cantora trans a chegar ao topo das paradas americanas e uma das poucas atrações que fizeram sua estreia no Brasil com show no The Town. No repertório dançante, não ficou de fora “Unholy”, hit que conta com a voz do cantor Sam Smith, além de “Heart to Break”.

Às 21h45, quase uma hora antes do grande headliner da noite brilhar, Jão colocou o público do The One para pular, chorar e dançar com uma estrutura dominada por um dragão imenso no palco, remetendo ao seu mais recente álbum “SUPER”, que faz referências ao elemento fogo. Além disso, a apresentação contou com drones no céu que formavam a bandeira do orgulho bissexual durante a música “Meninos e Meninas”. “Espero que hoje vocês se sintam respeitados e amados por quem vocês realmente são, e que aqui seja um lugar seguro para vocês”, disse. Não foram só os hits mais recentes que entraram no setlist. Jão também cantou “Idiota”, “Vou Morrer Sozinho” e “Santo”, fechando o show com “Me Lambe”, do álbum recente.

Após o primeiro show aclamado no The Town, Bruno Mars retornou ao evento para fechar a noite da primeira edição. Entre brincadeiras e tentativas de falar novas palavras em português (diferenciando o que falou na primeira apresentação no festival), o cantor entregou carisma e muito talento. O setlist, igual ao dia 03, incluía também “Evidências”, um clássico do sertanejo, tocada pelo tecladista John Fossitt e, desta vez, com direito a Xororó e família na plateia. O público foi à loucura quando o artista apareceu no telão, tornando a noite ainda mais especial. A participação dupla de Mars no The Town lotou os dois dias em que esteve presente, fazendo um dos melhores shows da programação segundo os fãs. Começando com “24K Magic”, passeou por seus maiores sucessos – ou seja, todas suas músicas -, incluindo “Finesse”, “That’s What I like”, “Versace on the floor” a “Treasure”, “When I Was Your Man”, “Grenade”, “Runaway Baby” e “Locked Out Of Heaven”. Ufa!

A banda que o acompanha, The Hooligans, é impecável em todos os aspectos e participa das coreografias, muito bem feitas e sincronizadas com Bruninho – apelido carinhoso dado pelos brasileiros e adotado pelo artista durante a performance. “They call me Bruninho!”, ele diz, ao atender um telefone dourado durante o show: “Oi, sumida! Eu quero você, gostosa”, continua, aos risos.

Além dos palcos principais, o último dia superlotado do The Town também contou com shows nos palcos Factory, São Paulo Square e o de música eletrônica, New Dance Order. Vale destacar também os shows de Mônica Salmaso com a banda Mantiqueira, além de Tássia Reis, Xênia França e Cynthia Luz.

Novos conteúdos

Relacionados

Relacionados