4 curiosidades da maior noite pop da história

documentário “The Greatest Night In Pop” traz os bastidores da maior noite da música pop da história.

Este ano, a Netflix já começou com uma novidade que aguça nossos ouvintes e consumidores da Alpha FM. O documentário, nomeado como “The Greatest Night In Pop”, traz os bastidores da maior noite da música pop da história, contando detalhadamente todo processo feito por Lionel Richie e Michael Jackson para chegar no sucesso “We Are The World”. O hit cativou o mundo todo pelos 51 artistas envolvidos na produção e o propósito de toda essa trajetória.

Conforme esperado, algumas curiosidades surgem: você sabia dessas que aconteceram nesta noite tão icônica? Separamos 4 curiosidades da maior noite pop da história. 

A cobra de Michael

Quem diria que a lista começaria com Lionel Richie correndo de uma cobra, mas pelo incrível que pareça isso realmente aconteceu. Michael sempre teve uma curiosidade por animais exóticos, e com o sucesso ele transformou esse interesse peculiar em realidade. Contando com um elefante até uma girafa, o cantor montou seu zoológico particular em Neverland, que incluía outras diversas espécies. Mas nunca imaginaríamos que um de seus animais teria seu destaque no dia.

O fato ocorreu pois o Rei do Pop insistiu que sua cobra e o famoso macaco Bubbles fizessem parte do estúdio no dia da gravação. Mal esperava Richie que o maior obstáculo daquela noite não fosse escrever a canção e sim uma Pitón albina perdida pelo quarto. O astro de 71 anos contou recentemente no “The Drew Barrymore Show” sobre a inusitada cena, “Eu estava gritando como o último filme de terror que você já viu em toda a sua vida. [Jackson] ficava me dizendo: ‘Lionel, ele te ama. Ele só quer dizer que te ama.”

Ray Charles e Steve Wonder 

A lista de curiosidades continua com uma cena no mínimo cômica. O fato da vez foi o momento em que Ray Charles, que é cego, faz um pedido para ir ao banheiro durante a produção. De todos presentes na sala naquele instante, qualquer um poderia ajudar o músico, menos outro famoso cego, Steve Wonder. Supreendentemente, Wonder pegou na mão de Charles e se ofereceu para ajudar o amigo. Logo após, todos caíram na gargalhada e que acabou gerando um dos momentos mais engraçados da noite.

O “after”

A noite não acabou depois do fechamento da música. Segundo Richie, aconteceu uma grande festa após a gravação, ela ocorreu no estúdio da A&M e virou a madrugada inteira. Fica na nossa imaginação como foi essa tal bagunça que contou com inúmeras celebridades. Lionel falou brevemente sobre o ocorrido, “Foi uma noite agitada. Eu me comportava como um fã de todos aqueles artistas, e tenho certeza que muita gente fazia o mesmo. Mas a coisa mais importante da noite foi o que dizia um dos versos da música: tem gente morrendo”.

A inspiração 

Inesperadamente, “We Are the World” foi inspirado em outra produção. A inspiração é “Do They Know It´s Christmas?, também com propósito beneficente, o single foi gravado em 1984 por músicos Irlandeses e Britânicos. O motivo da vez foi com intenção de acabar com a fome na Etiópia, país Africano. Na ocasião, os artistas eram praticamente todos brancos, posteriormente esse foi um dos motivos para iniciar uma nova obra que contasse com mais cantores negros. “Temos brancos salvando negros. Não temos negros salvando negros”, disse Lionel no documentário da Netflix. Depois ele se reuniu com Harry Belafonte, ativista dos direito civis da época, e entrou em contato com os astros para dar vida ao projeto.

Leia também: Relembre os principais filmes de Christopher Nolan

Novos conteúdos

Relacionados

Relacionados