As maiores bandas de rock que já tocaram no Rock in Rio

Falta de rock na edição de 2024 incomoda o público.

A edição deste ano do Rock in Rio simboliza a incrível marca de 40 anos de realização do festival. Assim, o Parque Olímpico, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, já recebeu uma multidão de pessoas – que até ultrapassa a população de alguns países – desde 1985.

Aliás, para 2024, o evento anunciou várias novidades ao público como celebração de sua longa existência. A disposição das gigantes estruturas que recebem grandes nomes da música mudou: o Palco Mundo mantém a mesma localização, mas ganhou um visual mais moderno.

Ademais, o Palco Sunset agora também deve receber mais reconhecimento – visto que antes era tido como o ‘secundário’. Para promover isso o quanto antes, Mariah Carey será uma das atrações nesta estrutura, no dia 22 de setembro.

Contudo, a falta de rock no Rock in Rio 2024 ainda incomoda. Até agora, o festival anunciou 6 dos 7 dias de programação com a predominância do gênero pop na maioria das datas. Além de Mariah, estão confirmados: Katy Perry, Shawn Mendes, Cyndi Lauper e Ed Sheeran. No rap, há Travis Scott e 21 Savage.

Para relembrar a essência do evento musical, confira as maiores bandas de rock que já passaram no Rock in Rio:

Queen no Rock in Rio 1985

A primeira edição do festival carioca chegou com os dois pés na porta. Isso porque o line-up continha alguns dos maiores artistas musicais da história. A famosa banda Queen foi uma delas, que realizou um show histórico no Palco Mundo. A vinda gerou repercussão mundial já que o grupo restringia suas performances a países norte-americanos ou europeus.

Assim, mais de 250 mil pessoas marcaram presença para prestigiar a banda. O Rio de Janeiro tremeu ao som dos hits atemporais de Queen, como “Love Of My Life“, I Want To Break Free” e “We Are The Champions”.

Guns N’ Roses (1991)

A segunda edição não deixou a desejar. Pelo contrário, o anúncio de que Guns N’ Roses estariam entre as atrações do festival fez com que os brasileiros corressem para comprar os ingressos. Ademais, em 1991, o grupo estava no auge de sua carreira, o que aumentava ainda mais a procura para assistir ao show.

Contudo, eles também eram reconhecidos pelos atrasos gigantescos para subirem ao palco. No Brasil, não foi diferente: Roberto Medina, criador do evento musical carioca, chegou a comentar que nunca mais traria Guns N’ Roses para o país – promessa que não se cumpriu.

Red Hot Chili Peppers (2001)

A responsabilidade do encerramento do Rock in Rio 2001 se deu com os californianos Red Hot Chili Peppers.  A banda detinha grande destaque na época em razão do enorme sucesso de “Californication”, álbum de 1999. Assim, o show começou com: “Around The World” e contou com outras 18 canções, incluindo quatro covers.

Entretanto, o show do grupo não superou as altas expectativas que se criaram sobre o momento. Isso porque a qualidade do som atrapalhou, e muito, a experiência de seus hits, tornando morna uma apresentação que tinha tudo para se tornar uma das maiores da carreira deles.

Metallica (2011)

Quando os primeiros acordes de “The Ecstasy of Gold” tocaram, os minutos seguintes são apenas rápidas memórias de vultos, mãos para cima e bate-cabeça. Isso porque os brasileiros não aguentavam mais a ansiedade para ver o grupo Metallica, que só subiram ao palco por volta da 1h.

Apesar de não ser a primeira vinda ao país, a apresentação dos roqueiros ainda sim era aguardada devido à grandiosa estrutura e experiência única proporcionada pelo festival. E a performance saiu da ‘mesmisce’ quando o guitarrista Kirk Hammett surpreendeu ao iniciar “Enter Sandman” com um verso de “Samba de Uma Nota Só”, de Tom Jobim.

Leia também: O show mais marcante do Rock in Rio, segundo o criador Roberto Medina

Novos conteúdos

Relacionados

Relacionados