A promessa de Chris Cornell

“Música, pra mim, ainda não é trabalho. À parte de estar com minha família, ela é o primeiro item na minha lista de coisas que desejo fazer”

Chris Cornell, 2006

Estas são as palavras de um homem sereno, finalmente livre da bebida – vício que o perseguia por 20 anos.  O amor por sua música citado por Chris, aliás, era algo que sempre tive em comum com o vocalista do Soundgarden – banda que aprendi a amar, lado a lado de seus parceiros do Pearl Jam há 25 anos. Eles definiram uma era.

Sua partida às vésperas de fazer 53 anos – assim como muitos que tiraram sua própria vida, como Kurt Cobain, do Nirvana – é mais do que um espanto. Acredito que tenha sido para todos que adoram a arte da canção.

A crise da meia-idade

Chris Cornell atravessou com sucesso a barreira da meia-idade. Ao contrário do líder do Nirvana e de outros ídolos, como Michael Hutchence, do INXS. Mas os cantos escuros da alma de um artista às vezes demoram a aparecer.

Cornell – que já foi protagonista de um show promovido pela Alpha FM em 2013, no Golden Hall – atravessava grande fase. Sua bela canção “The Promise” está na trilha do filme de Christian Bale e Oscar Isaac, A Promessa. A música também foi lançada como um single beneficente, em março, com renda destinada ao cuidado de refugiados internacionais.

Em sua última noite na Terra, Chris Cornell estava no local que mais curtia. No palco do Fox Theatre, em Detroit, divulgando seu recente disco, Higher Truth, lançado no final de 2015.

O último post

Após finalizar o show de Detroit com “Slaves & Bulldozers”, Cornell decidiu incluir na música um verso de “In My Time of Dying” (Na minha hora de morrer). Esta foi sua despedida dos fãs. De volta ao hotel, ele ainda teve o tempo de postar no Facebook o verso: “Sou da forma do buraco dentro de seu coração”.  A suspeita de que Chris teria sido mais uma vítima da silenciosa depressão não pode ser descartada, embora sua mulher, Vicky Karayiannis, tenha negado qualquer sinal da doença. “Ele tinha adoração pelos filhos” – garantiu.

Nesse momento de dúvida, só podemos pedir as vibrações positivas que a música de Chris Cornell nos deixou. Seria nosso presente em retribuição e um consolo para tapar esse buraco que ficou no coração.

Novos conteúdos

Relacionados

Relacionados