Acupuntura pode amenizar efeitos da menopausa

O climatério é o período da vida reprodutiva da mulher caracterizado pela diminuição da capacidade ovariana em produzir hormônios que serão responsáveis pela ovulação, dividindo-se em três fases: a perimenopausa, a menopausa e a pós-menopausa. Estas alterações hormonais provocam diversas modificações no organismo das mulheres e alterações físicas e emocionais podem ocorrer.

A menopausa em si, nada mais é do que a última menstruação da mulher, se trata de uma data. Assim como a menarca se trata da data da primeira menstruação.

A primeira fase do climatério, a perimenopausa, se inicia por volta dos 35 anos de idade, já com diminuição da produção hormonal de estrógenos, progestágenos e androgênios. Algumas mulheres já apresentam ciclos menstruais irregulares como sintoma principal. Aos poucos, alguns outros sinais clínicos se apresentam, como o ressecamento da pele e da mucosa vaginal, queda e embranquecimento do cabelo, incômodos nas relações sexuais, irritabilidade, insônia e dificuldade de memorização.

Com a chegada da menopausa, ou seja, com o término dos ciclos menstruais, todos esses sintomas se tornam exacerbados, incomodando cada vez mais, alterando o comportamento das mulheres tanto na vida social quanto na conjugal, inclusive levando a dificuldades no trabalho.

Nessa fase de pós-menopausa, ainda se aumentam as chances de doenças cardiovasculares aparecerem e o risco de osteoporose se torna mais evidente. A necessidade de uma alimentação equilibrada com atividade física leve se torna essencial e a prevenção com tratamento médico deve ser realizada o mais breve possível.

A Acupuntura pode ser um tratamento auxiliar a todos os sintomas do climatério, devendo ser iniciada já na perimenopausa, melhorando os padrões de fluxos menstruais pela ação no eixo neuroendócrino no sistema hipotálamo-hipofisário-ovariano. Tendo boa produção hormonal, os sintomas de queda de cabelo, atrofia cutânea e de mucosa vaginal se tornam menos intensos, aumentando, inclusive, o desejo sexual dessas mulheres.

Outro sintoma de extrema importância são os calores da menopausa, os conhecidos fogachos. Uma mulher em uma crise de calor pode apresentar aumento da temperatura corporal significante, a ponto de causar um desconforto imenso e causar insônia.

Menos de 30% das mulheres apresentam os fogachos na perimenopausa, porém, mais de 60% delas vão apresentar os calores de forma leve ou intensa após a menopausa. Estas ondas de calor podem durar por mais de 15 anos, tornando a irritabilidade das mulheres ainda maior.

Estudos recentes demonstram que quanto mais intenso as ondas de calor, maior a chance de aumento da temperatura corporal e desnaturação da acetilcolina no sistema nervoso central.

A doença de Alzheimer está relacionada, em maior número, no sexo feminino pela deficiência estrogênica da menopausa. Diminuir as ondas de calor e manter níveis estrogênicos em valores normais parece ser benéfico para a prevenção e retardamento da aparição da demência senil e de Alzheimer.

Estudos demonstram a eficácia da Acupuntura na regulação da produção estrogênica, podendo ser também além de melhora dos sintomas climatéricos, uma prevenção ao aparecimento da doença de Alzheimer no sexo feminino. Uma área cerebral pode ser ativada inicialmente após a estimulação de um acuponto. Então, os órgãos-alvo respondem à estimulação da acupuntura através do sistema regulador neuroendócrino humoral. Este padrão regulador pode explicar o fenômeno de múltiplos alvos, múltiplas vias e regulação sistemática da acupuntura para Doença de Alzheimer.

O tratamento dos sintomas climatéricos pela Acupuntura deve ser sempre individualizado para cada mulher, conforme seus principais sintomas e queixas, podendo ser sempre realizado de forma conjunta com o tratamento clínico prescrito pela ginecologia.

Por Luciano Curuci, ginecologista e acupunturista, em parceria com o Saúde Minuto. 

spot_img

Novos conteúdos

Relacionados

Relacionados