Carlos Gayotto reverencia repente nordestino em “Cosmic Love

O hino do cancioneiro nordestino entoado popularmente e em cerimônias e rituais espirituais por todo o Brasil renova suas forças para seguir sua missão de expandir consciências e territórios. Prestes a completar 40 anos de sua criação, a icônica música “Amor Cósmico”, do poeta repentista pernambucano radicado na Paraíba Oliveira de Panelas, ganha uma versão celebrativa em inglês, já disponível em todas as plataformas de música. Pelas mãos do artista multiplataforma Carlos Gayotto, “Cosmic Love” incorpora novos elementos sonoros e espaciais ao convite musical para a elevação do amor próprio, pela Terra e pelas pessoas. A simplicidade e a profundidade da letra original ganham novos tons e camadas modernas na voz mântrica de Gayotto, que também toca violão, guitarra elétrica e guitarra slide vertical na faixa produzida por Conrado Goys. A faixa comemorativa será lançada com um videoclipe de animação assinado pela artista visual Pamela Munhoz, criadora da capa do último álbum de Anavitória.

A canção promove o encontro artístico entre as criações tradicionais do nordeste, representadas por Panelas, e as inovações tecnológicas aplicadas à arte desenvolvidas por Gayotto. De um lado, o poeta, repentista, escritor e cantador pernambucano, nascido no município de Panelas, Oliveira Francisco de Melo, que vive há mais de 30 anos na Paraíba. Dedicado à origem da cantoria nordestina, Panelas atua desde o início de sua carreira na perpetuação das canções e toadas do repente local e na valorização do cordel como um símbolo de arte e resistência dos costumes populares e emocionou-se com “Cosmic Love”.

Com mais de 50 anos de carreira, o artista coleciona premiações e títulos e é reconhecido como um dos mais importantes representantes dos poetas repentistas do Brasil. Com temáticas que abordam problemas sociais do Nordeste, romantismo, tom lírico e humor, sua obra pode ser conferida 15 livros, 22 álbuns e 11 vinis, gravados individualmente e em dupla, resultado da parceria com artistas consagrados como Otacílio Batista, com quem cantou por 23 anos. Aos oito anos de idade já fazia seus primeiros versos. Aos 12, cantou pela primeira vez no Sítio contador em Panelas.Tornou-se profissional aos 14 anos de idade, viajando por todo o Estado de Pernambuco, parte de Alagoas e Paraíba com vários poetas-cantadores, como João Vicente e Manoel Hermínio.

 

Novos conteúdos

Relacionados

Relacionados