Frank Sinatra by Louis Hoover

HÁ MAIS DE 15 ANOS, o inglês Louis Hoover se dedica quase “espiritualmente” a Frank Sinatra em seu já consagrado espetáculo Salute to Sinatra. Nesta entrevista exclusiva diretamente de Londres, revelamos mais detalhes sobre a carreira do músico e como será o show de 2 de junho, no Espaço das Américas, com repertório totalmente dedicado ao ícone universalmente famoso como ‘The Voice’.

Por Claudio Dirani

ALPHA FM – Como você chegou ao conceito de Salute to Sinatra que foge bastante daqueles shows de imitadores de músicos famosos?

Louis Hoover – Na verdade, antes de Salute to Sinatra, já estava envolvido com música desde meus 15 anos. Então, na época que participava do grupo vocal Wall Street Crash, chegaram até a mim e disseram: Louis, você canta muito bem swing, soul music… mas quando o assunto é Frank Sinatra, ninguém chega perto! Então, aceitei o convide de produtores para o musical Frank (Sinatra), Sammy (Davis Jr) and Dean (Martin) – The Rat Pack, que foi um sucesso inesperado em Londres – e depois, em vários países.

ALPHA FMEntão, o sucesso com Rat Pack o levou imediatamente a fazer Salute to Sinatra?

Louis Hoover – Sim, mas é preciso dizer que nada disso foi planejado. Ao finalizar a turnê Rat Pack, tirei três meses de férias e quando voltei, recebi o convite para um show solo. Disse apenas que teria de ser uma grande orquestra (The Hollywood Orchesra) para fazer jus ao espetáculo. Senão, eles iriam querer o dinheiro de volta (risos).

ALPHA FM – Você lembra onde estava em março de 1977?

Louis Hoover – (Ah, claro que sim. No Royal Albert Hall, em Londres. Tinha 17 anos – “7” é um número mágico para mim. Lembro que meus pais economizaram muito para ir ao show. Os ingressos custavam 8 libras, eram caros. Sabia que muita gente famosa estaria lá, e ao olhar ao redor vi Rod Stewart, dois dos Beatles, Elton John, Roger Moore, Michael Caine… De repente, as luzes se apagaram. Frank sequer se apresentou. A orquestra começou a tocar e o público enlouqueceu antes mesmo de Frank começar a cantar!

ALPHA FM – Qual foi sua reação depois do show?

Louis Hoover – Minha vida tem sido de muita sorte e, de certo modo, estranha. Estava com minha namorada (ela se chamava Beverly) que percebeu algo diferente em mim após a apresentação. Então, ela me perguntou: – Louis, o que você tem? Respondi: Beverly, não sei como ou quando será, mas um dia farei exatamente o que Frank Sinatra fez aqui. Parecia uma ideia louca.  Muito tempo se passou, mas cheguei lá. Em 2002, fiz uma turnê pela Inglaterra com Salute to Sinatra e tocamos no mesmo Royal Albert Hall e nos aplaudiram durante nove minutos em pé! Foi como se um ciclo tivesse sido finalizado.

ALPHA FM – Relembrando o show de Frank Sinatra no Royal Albert Hall, você citou a presença de Roger Moore que recentemente faleceu. Moore foi um dos grandes nomes que elogiou publicamente seu trabalho em Salute to Sinatra (Nota: Sinatra e Roger eram amigos).

Louis Hoover – Sim, conheci o grande Roger Moore. Lembro que foi numa oportunidade muito especial, quando ele ia anunciar minha entrada no palco em um de meus shows. Enquanto esperava nos bastidores fiquei pensando: Meu Deus… James Bond – o 007 – vai me apresentar! Inacreditável.

ALPHA FM – Por falar em coisas inacreditáveis, depois de famoso, você conseguiu falar novamente com sua ex-namorada? Ela não deve ter acreditado na sua promessa de cantar no Royal Albert Hall.

Louis Hoover – A pergunta é interessante. Justamente em 2002, quando estava promovendo o show no Royal Albert Hall, dei uma entrevista à rádio BBC no programa The Witching Hour.  O assunto veio à tona e me desafiaram a ligar para Beverly. Lembrei de seu número e a mãe dela atendeu. Como Beverly já estava casada, ela prometeu perguntar à filha e retornar a ligação. Felizmente, Beverly se lembrou daquele dia mágico. Por isso sua mãe costumava dizer que minha ex-namorada tinha uma memória de elefante! (risos)

ALPHA FM – Frank Sinatra tem uma ligação muito especial com o Brasil, especialmente pela parceria com Tom Jobim que em 2017 celebrou 50 anos de história.

Louis Hoover – Sim, meu Deus. Nossa. Eles gravaram músicas que estão em meus álbuns favoritos e fizeram algo totalmente diferente. O primeiro deles foi Francis Albert Sinatra & Antônio Carlos Jobim (1967). O mais interessante desse encontro entre os gênios é que Frank e Tom se admiravam muito e eram amigos.

ALPHA FM – Você planeja adicionar faixas dessa parceria Sinatra-Jobim no show de São Paulo, como os clássicos “The Girl from Ipanema”, “Dindi”, “Quiet Nights of Quiet Stars”?

Louis Hoover – Sim, claro. Quando cantei “The Girl From Ipanema” na primeira vez que visitei o Brasil (2015) as pessoas enlouqueceram. Mas não costumo revelar o que vai estar no repertório. O fator surpresa sempre é melhor!

—–

@@@

spot_img

Novos conteúdos

spot_img

RELACIONADOS

Relacionados