Pomadas modeladoras: por que foram proibidas pela Anvisa e como substituí-las

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária proibiu na última sexta-feira (10) a comercialização de pomadas modeladoras após relatos de lesões graves, sobretudo no Rio de Janeiro e Pernambuco. Mais de 3 mil marcas tiveram seus produtos suspensos.

Em nota, a Anvisa afirmou: "A avaliação de risco feita pela Anvisa em conjunto com o Ministério da Saúde e vigilâncias sanitárias locais indica que, diante do número de ocorrências, distribuição geográfica e diversidade de marcas envolvidas, a medida mais segura é interditar estes produtos até que todas as providências possíveis sejam adotadas para evitar novos eventos".

Em contato com a água ou com o suor, o produto pode escorrer pelo rosto e causar ardência nos olhos, lacrimejamento, dor de cabeça, coceira, inchaço ocular e até cegueira temporária. De acordo com os especialistas, as pomadas causam tais reações por conterem componentes tóxicos como propilenoglicol, EDTA e ácido cítrico.

A recomendação é de suspensão do uso do produto, o substituindo por gel capilar ou gelatina sem álcool. Se o consumidor utilizou algum tipo de pomada recentemente, é necessário lavar os cabelos com cuidado e procurar imediatamente um médico no caso de qualquer sintoma. Nesse último caso, não se deve usar colírio ou outra substância nos olhos antes de consultar um especialista.

Novos conteúdos

Relacionados

Relacionados