Aos 95 anos, inventor do karaokê mostra que sua primeira máquina ainda funciona

Criador do aparelho também explica a origem do termo “karaokê”

Aos 95 anos, inventor do karaokê mostra que sua primeira máquina ainda funciona

Por: Yuri Sena


Quem não gosta de uma boa cantoria? Sucesso em confraternizações, festas de aniversários e muitos outros encontros, a versão instrumental das músicas mais badaladas é sempre uma diversão garantida.


Mas, para quem não sabe, o instrumento foi inventado pelo menos cinco vezes, de forma diferente no Japão. Um músico chamado Daisuke Inoue costuma ser creditado como criador da primeira versão em 1971, mas na verdade foi Shigeichi Negishi, que inventou a máquina pela primeira vez em 1967.


Em entrevista a Malt Alt, o escritor do livro “Pure Invention", Negish relata que cantar era uma maneira de relaxar, e com isso sempre chegava na empresa de eletrônicos em que trabalhava cantarolando, até que um dia, o engenheiro-chefe da firma brincou com seus dons vocais (que não eram muitos).


O empresário conta que após a crítica veio a inspiração, e então pediu para que o engenheiro o ajudasse a construir um aparelho capaz de receber fitas e ser conectadas a um microfone. O chefe disse que era simples fazer e, assim, surgiu a "Sparko box", a primeira máquina de karaokê.


A origem do nome também foi explicada pelo criador: “Você quer fitas de karaokê’. Essa foi a primeira vez que eu ouvi a palavra. Era um termo da indústria, percebe. Sempre que um cantor ia se apresentar no interior, eles usavam fitas instrumentais, porque era um verdadeiro pé no saco levar uma orquestra completa para se apresentar com eles. Então eles se apresentavam com uma faixa instrumental gravada — com o fosso da orquestra ‘vazio’. É isso que significa karaokê”, explicou Negishi.


Confira aqui o vídeo que mostra a máquina de 1967. 

r