Três bandas que deveriam tocar na “I Wanna Be Tour”

Festival itinerante ocorrerá a partir deste sábado (2) em cinco cidades diferentes do país e celebrará o emo

Nos próximos dias, acontecerá pela primeira vez um evento muito aguardado pelos fãs brasileiros de pop rock. Cinco cidades do país receberão a “I Wanna Be Tour”, um festival itinerante cuja programação é inteiramente focada no emo, abrangendo desde grandes nomes internacionais, como também os maiores destaques da cena nacional.

De certa forma, a proposta é semelhante à da “Warped Tour”, uma tradicional turnê itinerante com edições anuais nos Estados Unidos, ocorridas entre 1995 a 2019. Inclusive, ambas as atrações possuem um patrocínio em comum: o da marca Vans, consolidada entre o público alvo.

Simple Plan, A Day To Remember, The All-American Rejects, All Time Low, The Used, Asking Alexandria, NX Zero, Pitty, Boys Like Girls, Mayday Parade, Plain White T’s e Fresno compõem o line-up. Ao mesmo tempo, fazem parte do roteiro: São Paulo (02/03, no Allianz Parque), Curitiba (03/03), Recife (06/03), Rio de Janeiro (09/03) e Belo Horizonte (10/03).

Diante das características mencionadas, fica clara a intenção por trás dos artistas escolhidos. Sem dúvida, a ideia de “abraçar o pop-punk dos anos 2000” aparece em cada uma das bandas presentes. Ainda assim, outros vários grupos também caberiam na “I Wanne Be Tour”.

Por isso, separamos três bandas que deveriam tocar na “I Wanna Be Tour”. Confira abaixo:

Good Charlotte

O Good Charlotte surgiu nos Estados Unidos, em 1996. Ao longo dos anos, a banda disponibilizou hits como “The Anthem”, “Lifestysles of the Rich & Famous”, “The River”, entre outros, deixando sua marca na história do pop punk. Inclusive, ao terem contato com o The Used na Warped Tour em 2003, conheceram o seu baterista Chris Wilson – que permaneceu com os músicos até 2005.

Apesar de uma pausa entre 2011 e 2015, o Good Charlotte segue na ativa. Seu álbum mais recente, “Generation Rx”, saiu em 2018, enquanto a última vinda para o Brasil aconteceu em 2005.

Sum 41

Após 27 anos, o Sum 41 anunciou o fim de suas atividades. Formada no Canadá em 1996, a banda alcançou o estrelato com seu álbum de estreia, “All Killer No Filler” (2001), composto por músicas como “In Too Deep” e “Fat Lip”. Aliás, em breve, no dia 29 de março, o grupo disponibilizará o seu próximo e último disco: “Heaven :x: Hell” (2024).

Para a tristeza dos admiradores brasileiros, o vocalista Deryck Whibley e companhia fizeram recentemente parte de uma turnê com o The Offspring e Simple Plan que, infelizmente, não passou por aqui.

A primeira e única vez do Sum 41 em território nacional foi em 2016. Na verdade, a banda tinha uma participação marcada no XLive Music Festival, em Curitiba, Rio de Janeiro e São Bernardo, em 2011, mas precisou cancelar por motivos de saúde do vocalista. Sendo assim, um retorno é até hoje esperado!

My Chemical Romance

Sem dúvida, o My Chemical Romance é um dos maiores nomes do emo mundial. Não é à toa que a revista Rolling Stone considera o “Three Cheers for Sweet Revenge” (2004) como o décimo melhor do estilo. “Teenagers”, “Welcome to the Black Parade” e “Helena” são só alguns dos hits que a banda coleciona, para além de toda a narrativa construída (como, por exemplo, com personagens dentro dos discos) em seus trabalhos, somada ao visual gótico.

De acordo com José Norberto Flesch, a banda voltaria ao país em maio de 2023. Contudo, a vinda não deu certo. Em 2008, o My Chemical Romance realizou sua única excursão pelo Brasil. Atualmente, como anunciado em 2019, embarcaram numa turnê de reunião – colocando um fim no hiato dos palcos, iniciado em 2012.

Novos conteúdos

Relacionados

Relacionados